sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Minha entrevista para o programa Vamos Correr da ESPN Brasil

Olá Pessoal !

No meu primeiro "Post" intitulado "Minha estreia no mundo dos Blogs" tinha comentado que a minha primeira participação numa corrida oficial foi na São Silvestre de 1981, eu estava com 15 anos de idade, naquele ano fiz a maior parte do treinamento correndo dentro do Cemitério de Vila Formosa, sendo atualmente um dos poucos locais da cidade de São Paulo que mantém em seu interior belas alamedas de terra batida, piso ideal para treinos longos acima de 20 quilômetros, até hoje treino lá e atualmente costumo fazer entre 3 a 5 voltas de um percurso de 4000 metros em terreno misto de terra batida (cerca de 70%), asfalto e paralelepipedo com várias subidas e descidas, o que me possibilita estar preparado para a maioria das provas de rua e mesmo de cross-country.

Esse fato gerou uma grande curiosidade e uma consequente entrevista para o programa de televisão Vamos Correr da ESPN Brasil, feita pelo repórter Maurício Rossi, o início da entrevista foi feito no Parque do Ceret e a maior parte no Cemitério de Vila Formosa ambos localizados na cidade de São Paulo.

Marcos Viana Pinguim o Corredor do Cemitério

http://www.youtube.com/watch?v=ak8KLVyeMfI

Cemitério de Vila Formosa no Google Maps


Tive a oportunidade de conhecer o professor Eduardo Coelho Morgado Rezende, autor de 6 livros sobre cemitérios e presidente da ABEC - Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais.

Eu recomendo a leitura desse livro, para acabar definitavamente com os dogmas criados por nossa sociedade a respeito da morte.


Abaixo uma breve apresentação sobre o livro feita pela professora do departamento de geografia da USP, Odette Carvalho de Lima Seabra.

" Os diferentes e inusitados modos de usar o espaço do cemitério são uma resposta necessária, inevitável, a uma urbanização que expropria sentidos da vida. Por isso instaura-se ali, o lúdico, o jogo, o amor, a arte pelas inúmeras atividades praticadas.

As justificativas são conhecidas de todos nós, falta de lugar para ler, refletir, namorar, empinar pipas. Além do mais essas práticas indicam processos que não deveriamos subestimar pois que restaurando o espaço do cemitério como lúdico não estar-se ia também no caminho da superação de certos dogmas?

Além disso, o cemitério como lugar para uma vida livre de coações e prescrições não indica também que a vida começa se saber da continuação da morte?

A desmistificação da morte faria desmoronar séculos de dominação.

Por outro lado, a morte virada coisa no mercado instaura a exploração sobre a dominação. Assim este pequeno estudo combina estas faces de uma mesma questão.

São novas maneira de pensar o urbano e de compreendê-lo para além das estruturas formais da sociedade e como um âmbito de diferentes práticas que integram a reprodução social. Vale a pena lê-lo. "

Para adquirir entre no site abaixo:
http://www.necropolis.com.br/index.php


Eu (de azul no canto ), o professor Eduardo Coelho Morgado Rezende (aguachado ao centro) e os vários admiradores e estudantes de cemitérios, no final de uma aula dentro do tradicional Cemitério da Consolação em São Paulo.

Um grande abraço !

7 comentários:

  1. Caraca Pinguim!!
    Sensacional!
    Ri muito com a matéria!
    Show de bola, parabéns!
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  2. Pinguim:
    Maravilha o teu blog. Agora tu é tri (corredor, fotógafo e blogueiro). Já estou te seguindo no meu blog. Obrigado pelas últimas visitas e os comentários sobre a K42 de Bombinhas. João Gabbardo

    ResponderExcluir
  3. Deixo aqui a todos os Blogueiros e Corredores do Brasil e do mundo meu
    apoio para os treinos no Cemitério de Vila Formosa com o Pinguim.

    Gente correr no cemitério é o contrário do que muitos imaginam como
    pensamentos negativos pois lá não é um lugar morto; pelo contrário lá
    existem muitas Vidas, Pássaros de toda as espécies, Nascentes d"agua",
    Plantas, Arvores, Flores e hoje podemos ver muitos Atletas fazendo
    suas caminhadas lá. E o melhor de tudo lá ainda não tem ladrão.
    Temos que quebrar esse paradigma, e fazer dos Cemitérios verdadeiros
    Parques para todo tipo de Esporte antes que os grandes empreendedores
    e as grandes construtoras venham fazer mais arranhas céus lá. Deixo a
    todos nossos Respeitos aos familiares que lá estão descansando, mas
    tenham a certeza que eles vão adorar vocês lá pertinho deles
    praticando seus Esportes pois como diz na Palavra de Deus..."Porque
    Assim todos Morreram e o Pó volte para terra,quanto ao seu Espírito
    volte para Deus" que. ECLESIASTES CÁP. 12 VERSC. 7
    Marquem um treino conosco fale com o Pinguim, quem sabe um dia poderá
    existir a 1ª Corrida do Cemitério de Vila Formosa. Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Muito legal a entrevista.
    Infelizmente por aqui onde moro o cemitério é bem pequeno, porque senão eu correria por lá também.hehe
    Abraços e tudo de bom pra vc Pinguim.


    tutta
    ubiratã-pr.
    www.correndocorridas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. "QUEM Ñ ACREDITAR, VAI P/ O CEMITÉRIO!!!
    UhúuuuuuuL!!! Sorte que conheÇo o "PINGUIM".
    Ultra abraços e fuiiiii...kkkkkkkk...korrer???


    Ultraneneinha
    Jales-SP.
    neneinha-jales@htmail.com

    ResponderExcluir
  6. Parabéns cara!!
    Foi uma ideia muito orginal de correr no cemitério.Conheço lá desde criança e digo que lá é muiti bom, tem ar puro, amoras,passaros...

    Tudo de bom e bons treinos!

    ResponderExcluir
  7. Correr em cemitério é para poucos. Tô fora...rrsss

    ResponderExcluir

Sintam-se a vontade neste Blog.
Participe! Seus comentários serão muito importantes para mim e para os outros leitores interessados no mesmo assunto.
Não importa se você leu o artigo no dia que foi publicado ou mais de um ano depois, todos os comentários serão bem-vindos, mas reservo-me no direito de excluir eventuais mensagens com linguagens inadequadas. Abraços!